Sobre o projecto da Caixa Geral de Depósitos em Timor

>> 20091028

Díli, 28Out (Lusa) - As autoridades timorenses estão a analisar o projecto da CGD para a criação de um banco de direito timorense, revelou hoje na sua edição o jornal Timor Post, publicado em Díli.

De acordo com aquele matutino, o assunto foi discutido no encontro do primeiro-ministro Xanana Gusmão com o Presidente da República Ramos-Horta, antes da partida deste para a Coreia do Sul.

A Autoridade Bancária de Pagamentos (Banco Central) terá sido solicitada a prestar esclarecimentos sobre o projecto da Caixa Geral de Depósitos, que em Timor-Leste usa a designação de BNU." (Visão | Lusa)

Read more...

PR Ramos-Horta fala sobre 'caso Wideform´

>> 20091027

Foto: autor desconhecido

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DA RDTL

Dili, 27 October, 2009

Press statement


President Praises Mr. Fernando Ferreira

A certain Mr. Chris Ray writing in the Australia (17 October 2009), (Doubts Cling to Dili deal”, alleges that then Prime Minister Mr. Jose Ramos-Horta (2006-2007) favored an Australia businessman, Mr. Fernando Ferreira and his company Wideform, in granting them a long term lease of a prime land in central Dil

President JOSE RAMOS-HORTA comments:

As Prime Minister (July 2006 – May 2007) during the most critical period in our country’s young history, I did my very best to pacify and stabilize the country, restore people’s faith in the Government, while the same time, trying to improve investment environment. I pushed for timely decisions by the government on business registration, streamlining procurement procedures, fast track decisions on leasing land to suitable investors, national and international.

As soon as I took office as Prime Minister in July 2006, I asked the World Bank and the IMF to assist in simplifying our procurement procedures, business registration, and work on a whole new tax law that would make Timor-Leste more attractive for foreign investors. In 2006, Timor-Leste was embarrassingly way down, just one point above the Democratic Republic of Congo in the World Bank annual report on “Doing Business” around the world. We have gone up many points according to the Bank’s 2010 report.

The then government’s reputation with business was not a favorable one. It was known as not credit worthy as it would not pay its bills.

There were millions of dollars due to business. For instance To Timor Telecom alone it owed US$1 million. The then Prime Minister, Dr M. Alkatiri was conscious of this and appealed to cabinet members to pay up their bills. Yet when I took office as Prime Minister, we were deluged with unpaid bills to the private sector, national and international.

I have known Mr. Fernando Ferreira for over 20 years. His story is not different from the many young men and women who left their native countries, Portugal, Greece, Italy Lebanon, China, etc in search of a better life elsewhere. Mr. Ferreira arrived in Australia from Portugal in the 70’s with very little cash in his pocket and began work as a bricklayer.

Today Australia Business Review ranks his Wideform group of companies among the 300 largest companies in Australia

In 2008 Mr. Ferreira was honored by the President of Portugal as “Entrepreneur of the Year”. In 1989 he was awarded with the prestigious “Ordem de Merito”, equivalent to a knighthood, and carries the little “Comendador” or “Sir”.

Mr. Fernando Ferreira’s relationship with Timor-Leste dates back 20 years when we first met. I understand that Mr. Chris Ray might never heard of Mr. Ferreira then. Back then who really cared about the plight of the East Timorese? Very few people in Australia cared about our struggle. In fairness, newspapers like The Australian, Sydney Morning Herald, The Age, TV networks like SBS and ABC, did cover from time to time and I am grateful to them for this.

Mr. Fernando Ferreira, a very humble and discrete gentleman, tried to help in different ways, for instance, paying for my travels to Europe and the US in the early 90’s to undertake my diplomatic work. In 1996-97 I asked and Mr. Ferreira paid out tens of thousands of dollars to print and distribute worldwide graphic pictures of torture that had been smuggled out of the country.

What impressed me most then was that Mr. Fernando Ferreira never wanted any public recognition. He kept on supporting our struggle, even though he personally did not believe that we stood a chance to reverse Indonesia’s occupation of Timor-Leste. But for him, in his own words then to me, “for me the issue is not whether I believe you will get rid of the Indonesians. They are far too powerful. But this is an issue of justice, fairness and anyone with a conscience must try to help”.

On 30th August 2009 I honored Mr. Ferreira and several other businessmen, Timorese and non-Timorese, not so much for their success as businessmen, but for their integrity and for showing a heart.

Mr. Fernando Ferreira and Mrs. Estela Ferreira have been generous sponsors of numerous Church projects in Timor-Leste, working closely with Bishop Basilio do Nascimento of Baukau, and Fr. Jojo who looks after 100 orphans in Baguia, and street children in Dili.

Mr. Fernando Ferreira and his Wideform group came to Timor-Leste in 2006 not because they saw a major business opportunity in my country. Who would? They came because I pleaded with them to come and help. Through me, via way, of my contacts in the region, I try to bring investors to Timor-Leste. Few are here because they trust me, in my leadership.

To conclude, if Mr. Ray had cared to read our laws and regulations, he would know that the Law does not require any public tender for purposes of granting leases to national and foreign investors. This is done based on individual expressions of interest, on the Government discretionary privilege. There was never a single case from 2000 on, under the United Nations, the Government led by Mr. Mari Bin Amude Alkatiri, or the current, of a land lease signed off on the basis of public tender.
I did put pressure on the then Minister of Justice to expedite the process. As today I put pressure on current Government to fast- track decisions on investment. Unfortunately, even though our tax regime is now one of the most attractive in the world, second only to Hong Kong, it still takes far too long for a business to register.

Potential investors are still given a hectic run around by officials. Investors have to arm themselves with endless patience. However, overall, Government budget execution has improved quite significantly, business confidence improved, with hundreds of millions of dollars in new investments pouring into the country, including a US$.300 million 5-star hotel project from Malaysia.

If Mr. Ray had contacted me (he did not) I would have explained all the above. He would have met Mr. and Mrs. Ferreira and would have been touched by their great heart and compassion. But it seems Mr. Ray was more interested in doing yet another political service for his former employers. END.

Read more...

Inauguração de uma nova Estação de Rádio e Televisão


REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE
Gabinete do Primeiro-Ministro

Constituição da RDTL


Comunicado de Imprensa Díli, 25 de Outubro de 2009

Primeiro-Ministro, Kay Rala Xanana Gusmão, inaugura a Estação de Rádio e Televisão Suara Timor Lorosa’e (STL)
No passado dia 22 de Outubro, Sua Excelência o Primeiro-Ministro de Timor-Leste, Kay Rala Xanana Gusmão, inaugurou a Estação de Rádio e Televisão do Suara Timor Lorosa’e (STL) nas novas instalações em Fatumeta, Díli.
Visivelmente satisfeito, Sua Excelência, fez votos de confiança e desejos de pleno sucesso ao Suara Timor Lorosa’e, por esta iniciativa que, no futuro, contribuirá para uma significativa melhoria dos serviços de informação e entretenimento prestados.
O Primeiro-Ministro aproveitou ainda a oportunidade para agradecer aos media nacionais pela dedicação, empenho e sincera intenção em assumir um papel activo no desenvolvimento nacional através da tão necessária disseminação de factos jornalísticos e na construção de uma consciente e informada opinião pública. FIM

Para mais informações contactar: António Ramos da Silva, telefone (+ 670) 72 300 87 gabinetemediapm@gmail.com
.
Komunikadu ba Imprensa Díli, 25 Outubru 2009

Primeiru-Ministru, Kay Rala Xanana Gusmão, inaugura Estasaun Rádiu i Televizaun Suara Timor Lorosa’e (STL)
Iha loron 22 Outubru, Sua Exelênsia Primeiru-Ministru Timor-Leste, Kay Rala Xanana Gusmão, inaugura Estasaun Rádiu no Televizaun Suara Timor Lorosa’e (SATL) iha nia instalasoens ka fatin foun iha Fatumeta, Díli.

Hatudu laran ksolok, Sua Exelênsia fó nia votus konfiansa no hein katak Suara Timor Lorosa’e, ho nia inisiativa ida ne’e, iha futuru, bele kontribui mós hodi hadi’a liután servisus informasaun no entretenimentu ne’ebé hala’o ona.

Primeiru-Ministru aproveita oportunidade atu agradese ba media nasionál hotu tanba sira nia dedikasaun, empenhu no hakarak tebes duni atu simu papél ativu iha dezenvolvimentu nasionál liuhusi diseminasaun ne’ebé presiza halo kona-ba faktus jornalístikus no oinsá bele harí no haburas opiniaun públika ida ke konsiente i informada. FIN

Atu hetan tan informasaun seluk bele kontakta: António Ramos da Silva, telefone (+ 670) 72 300 87gabinetemediapm@gamil.com

Read more...

Xanana Gusmão nos anos 60

>> 20091026






Já que estamos em maré de "fotogramas"...

Foto: autor desconhecido

Read more...

Fotografia de Kay Rala Xanana Gusmão em 1966


Xanana Gusmão | Basketball 1966 |Imagem daqui (*)

Agradeço imenso ao Anónimo (em Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009 16H32m WET " pela referência a esta foto histórica!
(*) Não sei quem é o fotógrafo, se alguém souber, agradeço desde já a sua indicação)

Read more...

Nova Biografia de Xanana Gusmão


XANANA: Leader of the Struggle for Independent Timor-Leste

This is the political biography of Xanana Gusmão, leader of the East Timorese struggle for self-determination and first President of the new nation of Timor-Leste.

Twenty-four years of warfare with Indonesia transformed Xanana from an apolitical outsider into a tough guerrilla commander and, ultimately, the central unifying figure of East Timorese nationalism.In 1999, upon his bittersweet homecoming after years of imprisonment in Indonesia, Xanana faced the unenviable task of leading a traumatised people out of the terrifying violence and destruction that ended the Indonesian occupation.

Today, the politics of East Timor remain volatile and complex, and many challenges still exist for this tiny new nation.This is the story of a remarkable man and gifted leader.
Check your local bookshop and order it in or go to Australian Scholarly Publishing: http://www.scholarly.info/purchase.htm

20 October, 2009

Xanana Biography is attempt at a fair and objective historical account

"I’ve had my first comment from Timor about the biography but really it was a comment about Xanana.

My correspondent thought that while Xanana had been a hero of the resistance, his more recent performance was not so heroic.It prompts me to make the point that book essentially is about Xanana's leadership of the resistance from the early 1980s to 1999 and there is only an ‘Afterword’ about all the complex domestic politics since 2000. Throughout the book I have tried to be fair and objective and included the many sides to internal politics in East Timor.

However as it is a biography of Xanana it does focus on his perspective and actions as leader. I see this book as part of the first attempts to set down the historical record which is a very hard thing to do in East Timor because so much is contested.I am fully expecting many people to disagree with my account (even Xanana may not agree with some of my findings) but that is the nature of history.

I sincerely hope it does spark interest and intellectual debate but in a calm and considered way which is not divisive. I am hoping to get some copies to Dili soon and hope to get copies into the UNTL University Library and at the Xanana Gusmao Reading Room, possibly even some for sale there. I also hope one day to have Indonesian and Tetun, even Portuguese translations. That’s the next project and any willing publishers or translators are encouraged to contact me.

Best wishes
Sara"
http://saraniner.blogspot.com/


Read more...


REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE
IV GOVERNO CONSTITUCIONAL

COMUNICADO DE IMPRENSA Díli – 26 de Outubro de 2009

Declaração
do
Porta-voz do IV Governo Constitucional,
Secretário de Estado do Conselho de Ministros

Governo muda a cultura do serviço público para conseguir resultados orçamentais




A Ministra das Finanças de Timor-Leste, Dra. Emília Pires foi hoje, em representação do IV Governo Constitucional, apresentar à Comissão C os resultados do desempenho orçamental em 2008 e 2009, como preparação para os processos orçamentais referentes a 2010.

2008 foi um ano de transição, tendo o Governo de Timor-Leste adoptado o sistema do método de caixa para a gestão das finanças públicas, de modo a cumprir com o alínea b) do número 1 do artigo 39.º da Norma de Gestão Financeira e Orçamental, que estabelece que ‘as contas públicas devem ser consistentes com Sistemas Contabilísticos Internacionais.’ O sistema anterior não satisfazia este requisito, visto o método de acumulação modificada não cumprir os padrões internacionais.
Apesar destas transições o Governo conseguiu melhorias em todas as áreas em 2008, tendo melhorado tanto as receitas como as taxas de execução orçamental.

Em 2006/2007 o Governo anterior reportou receitas de 47,5 milhões de dólares. No ano seguinte, e apesar das reformas fiscais que baixaram as taxas, o novo Governo conseguiu receitas domésticas no valor de 69,9 milhões de dólares, o que constitui uma média de 5,8 milhões de dólares por mês.

Em 2009 as receitas domésticas aumentaram em média um milhão por mês (passando para os 6,88 milhões de dólares), sendo esperado um aumento significativo nas receitas até final do ano financeiro de 2009.

Em 2006/2007 o Governo anterior teve uma taxa de execução orçamental de 48,9%, em dinheiro, com um orçamento de 328,6 milhões de dólares. Em 2008 o orçamento passou efectivamente para o dobro, e com a mesma capacidade de serviço público o Governo conseguiu uma taxa de execução de 79%, em dinheiro de caixa.

As estimativas sobre a execução orçamental em 2009 são ainda mais positivas. Nesta altura do ano passado a execução orçamental era de 37%, enquanto neste ano já foram executados 48% do orçamento para 2009. As taxas de execução orçamental serão determinadas em grande medida pelo fornecimento atempado de bens, muitos dos quais foram desviados para responder às necessidades causadas por várias crises humanitárias resultantes de desastres naturais regionais.
Os resultados reflectem o empenho do Governo em melhorar as condições da Nação por via de uma gestão mais efectiva e eficiente das finanças públicas, o que em última instância se traduz em melhores indicadores económicos.

Recentemente o Relatório “Doing Business” do Banco Mundial em 2010, declarou que Timor-Leste foi o País que mais melhorou em termos de reformas na área do ‘pagamento de impostos’.
Na avaliação dos serviços de tributação globais Timor-Leste subiu 56 posições num só ano, estando actualmente classificado em 19.º lugar entre 183 países. Isto torna a Nação mais atractiva para os investidores. Timor-Leste também subiu nove posições na categoria global da facilidade em fazer negócios, ficando classificado em 164.º lugar.

Timor-Leste foi a economia com o segundo crescimento mais rápido em todo o mundo durante o ano de 2008, conseguindo um crescimento de 12,8%. As perspectivas para 2009 são boas, chegando pelo menos aos 8% necessários para o desenvolvimento sustentável.

Num Relatório sobre o Desempenho da Gestão Financeira em Timor-Leste que avaliou os três anos anteriores a 2007, as principais conclusões referiram-se a ‘Atitudes e Comportamentos Não Produtivos’ no serviço público.

O relatório explica “Muitos dos problemas enfrentados pelo sistema de Gestão das Finanças Públicas derivam de uma cultura organizacional ineficaz caracterizada por falta de transparência e responsabilização, bem como por uma corrupção sistémica. A maior parte dos funcionários superiores não possui experiência em liderança e administração, sendo que os quadros de incentivos são fracos e incertos. Os administradores têm relutância em delegar funções, o que reduz ainda mais a responsabilidade sentida pelos funcionários. Existem também problemas relativamente ao absentismo e à falta de motivação por parte de funcionários’.

O Secretário de Estado do Conselho de Ministros e Porta-voz Oficial do IV Governo Constitucional afirmou “Estou em crer que os nossos resultados positivos demonstram uma mudança na cultura do serviço público. As melhorias na execução orçamental e na cobrança de receitas foram obtidas pelo mesmo serviço público, porém este Governo tem políticas fortes e uma agenda nacional partilhada. O processo orçamental nunca foi tão transparente e tão aberto a debate como actualmente.’

‘Estamos activamente a reformar e a profissionalizar as nossas instituições, como por exemplo com a implementação da comissão da função pública, vencimentos mais elevados, promoções assentes em sistemas meritocráticos e iniciativas de formação e capacitação sendo que, em resultado da forte liderança e gestão do nosso Governo liderado pelo Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, os nossos funcionários públicos trabalham de forma mais eficiente e conseguem melhores resultados para a Nação.”

Os aumentos na execução orçamental e nas receitas domésticas devem-se em grande medida a novos sistemas e controlos, à implementação de procedimentos mais estritos, a cobranças mais eficazes e à identificação das áreas passíveis de serem propícias à fraude ou à corrupção, de modo a aplicar medidas dissuasoras.

FIM



Para mais informações é favor contactar Ágio Pereira através do telefone +670 723 0011 ou do endereço de correio electrónico agiopereira@cdm.gov.tl


Read more...

'Desastre ambiental no mar de Timor' [c/ vídeo]

>> 20091023

Imagem: iOnline 2009

Publicado em 23 de Outubro de 2009
"Milhares de litros de petróleo estão a contaminar as águas do mar de Timor há nove semanas, desde que, a 21 de Agosto, houve uma fuga numa plataforma petrolífera.
Os ambientalistas já classificaram a situação como "um desastre ambiental massivo" e compararam-no ao desastre do Exxon Valdez, que devastou a costa do Alasca em 1989.
Em declarações ao jornal "The Times", a ambientalista Gilly Llewellyn que liderou uma missão de três dias ao local descreveu o que viu.
"Estávamos numa área cheia de vida marítima e demos por nós no meio de autêntico mar de petróleo que chegava tão longe quanto podíamos ver". E acrescentou: "Ficámos doentes porque víamos golfinhos a nadar no meio do petróleo e as aves a voar sobre este mar".
Os ambientalistas estimam que a mancha de petróleo chegue a 15 mil metros quadrados.
A PTTEP, a empresa responsável pelo petróleo, estima que estejam a ser descarregadas no mar entre 300 a 400 barris de petróleo por dia, mas as autoridades australianas apontam para um número muito diferente: dois mil barris de petróleo diários."

Read more...

ONU "trava" educação em Timor

>> 20091022

Foto: Helena Espadinha


Os atrasos que continuam a verificar-se no sector da Educação em Timor-Leste devem-se, em grande parte, à "pouca flexibilidade" e à excessiva burocracia da Organização das Nações Unidas (ONU), considera o responsável pelo sector, padre Filomeno Jacob. "A burocracia é pesadíssima e sinto que há pouca flexibilidade nos processos. Querem aplicar aqui os prazos dos processos que seriam normais noutros países, mas num país em estado de emergência isso não vai funcionar", considerou.

Em declarações aos jornalistas, o ministro dos Assuntos Sociais, que engloba a pasta da Educação, explicou que apenas foram recuperadas cerca de 15 por cento das salas de aula projectadas para beneficiar de obras desde a abertura do ano escolar, em Outubro. Das 2.100 salas previstas, apenas 300 foram recuperadas no âmbito do projectos implementados pela ONU e custeados pelo fundo administrado pelo Banco Mundial.

Apesar de se considerar "mais optimista do que há três meses", Filomeno Jacob refere que os atrasos ainda são significativos, especialmente dadas as expectativas elevadas da população timorense. "Os materiais estão aqui e estamos a avançar. Mas tudo isso demorou muito tempo devido à falta de flexibilidade e de abertura para esta situação, que tem a ver com os prazos dos projectos e das companhias", considerou. "Não há capacidade de se organizar as coisas nos prazos necessários. Por isso, o povo diz que não se faz nada e continua à espera", sublinhou.

A ONU confirmou, também, ter já distribuído os primeiros 300 jogos de mobiliário escolar que foram encomendados a carpinteiros timorenses, no âmbito do projecto de recuperação das salas de aula de Timor-Leste. O mobiliário foi entregue a escolas em Aileu, Maliana e Manatuto, esperando-se que todas as 600 escolas abrangidas pelo projecto possam ter o seu mobiliário pronto até Abril.

Aposta em parcerias

Para Filomeno Jacob, os atrasos são mais um sinal de que continua a ser preferível, em alguns casos, optar por projectos bilaterais, como é o caso do Liceu de Díli, que está a ser reconstruído pela Câmara Municipal de Lisboa, e da Escola do Farol, que está a ser reconstruída pela Câmara da Amadora.
Apesar de defender que todos os projectos em curso devem ser coordenados pela administração transitória, Filomeno Jacob prefere que sejam as próprias estruturas envolvidas nas parcerias a administrar e implementar os projectos. "Diria que a coordenação é necessária, mas a preparação e a realização deve fazer-se pelos timorenses com quem pode ajudar, neste caso Portugal. O que me interessa é que as coisas andem e funcionem, para que os projectos avancem".

O projecto de reconstrução da Escola do Farol pelo município da Amadora, que será feito por uma firma timorense, foi louvado pelos responsáveis da escola, em especial a directora, Filomena Cepeda, durante a visita do responsável camarário. "A língua de Camões não vai acabar nesta nossa escola, que também serviu filhos portugueses. Quem sabe alguns deles estejam já em lugares de chefia em Portugal...", disse a directora da escola.

Falando aos jornalistas, o presidente da Câmara Municipal da Amadora, Joaquim Raposo, disse ter ficado comovido com a recepção com que foi recebido na escola, desafiando outros municípios a apoiar outras escolas em Timor-Leste: "Escolham uma escola em Timor e façam um investimento na sua recuperação. Aqui é que é a grande aposta. É preciso investir na educação".




Read more...

Em resumo: "Eleições de Timor-leste com adesão de 68% de eleitores"

>> 20091020

"As eleições em Timor-Leste registaram uma adesão de 68% de eleitores. Este processo eleitoral decorreu de forma pacífica, apesar de algumas queixas e reclamações.

Esta terça-feira, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor anunciou que 68% dos eleitores, de um total de 588 393 inscritos, participaram nas últimas eleições para as lideranças comunitárias em Timor-Leste.

O apuramento dos votos já está concluído e «em geral o processo eleitoral decorreu de forma pacífica e com alta participação dos eleitores», segundo a CNE.

O registo de 36 queixas e reclamações em todo o território nacional não afectou o resultado final provisório, refere a Lusa"
Fonte: Fábrica de conteúdos | 2009-10-20 11:16:52

Read more...

É assim mesmo, Xanana!!!


... E para que cada um possa escolher a sua fonte predilecta ... :
Economia Xanana Gusmão voltou da China com apoio de 3 milhões de ...
Xanana Gusmão voltou da China com apoio de 3 milhões de euros - RTP Noticias. ... Segundo Xanana Gusmão Wen Jiabao reafirmou o compromisso da China em ...

Xanana Gusmão voltou da China com apoio de 3 milhões de euros
de Agência Lusa
Díli, 20 Out (Lusa) - A República Popular da China vai conceder a Timor-Leste 30 milhões de yuan (cerca de três milhões de euros) para a recuperação d.
- http://noticias.planetaportugal.com/

Timor Leste Xanana Gusmão voltou da China com apoio de 3 milhões ...
Díli, 20 Out (Lusa) A República Popular da China vai conceder a Timor Leste 30 milhões de yuan (cerca de três milhões de euros) para a recuperação de infra ...

Read more...

Gostaria de saber quais as fontes primárias para este estudo ...

"Portugal caiu do 16º para o 30º lugar da lista dos países mais respeitadores da liberdade de imprensa. Um instrumento de análise construído pela organização ‘Repórteres sem Fronteiras’ (RsF).

Segundo os RsF, Portugal está em «boa situação» no que diz respeito à liberdade de imprensa.

No entanto, o país caiu de 16º para 30º lugar, estando agora ao mesmo nível que o Mali e a Costa Rica.

Uma queda que acaba por estar em sintonia com o comportamento geral dos países europeus, onde, segundo a RsF, a liberdade de imprensa parece estar em recuo. Assim se explica que nos primeiros 20 classificados, apenas 15 países sejam europeus, ao contrário dos 18 habituais.

«A Europa deveria dar o exemplo no que respeita às liberdades civis. Como se podem condenar violações de direitos humanos fora de portas, quando não se tem um comportamento irrepreensível em casa?», questionou o secretário-geral dos RsF, Jean-François Julliard.

Ainda assim, os primeiros cinco lugares da lista são ocupados por países europeus.

Relativamente aos países de língua oficial portuguesa referidos no estudo, Cabo Verde está na 44ª posição, o Brasil ocupa a 71ª, seguido de Timor-Leste, na 72ª. Depois surge Moçambique na 82ª posição e dez posições abaixo, a Guiné-Bissau. Angola ocupa o 119º lugar.

O último lugar da lista de 175 países é ocupado pela Eritreia."

Fonte [???] - A Bola | Portugal cai 14 lugares no ranking da liberdade de imprensa

Read more...

Director-General meets Kirsty Sword Gusmão, Chairperson of the Timor-Leste National Commission for UNESCO

>> 20091019




On 14 October 2009, the Director-General of UNESCO, Mr Koïchiro Matsuura, received Ms Kirsty Sword Gusmão at UNESCO Headquarters.

Ms Kirsty Sword Gusmão is the wife of the first President of Timor-Leste, Mr Kay Rala Xanana Gusmão, and current Prime Minister of the country. She established the Timor-Leste National Commission for UNESCO, which she also chairs.

The Director-General congratulated Ms Sword Gusmão for launching the National Commission on 23 April 2009, welcoming the participation of the new body in both the Ministry of Foreign Affairs and the Ministry for Culture. Mr Matsuura also paid tribute to the support provided by Ms Margaret Austin, former Member of Parliament of New Zealand, in terms of capacity building. He applauded the progress made so far in the functioning of the new National Commission, welcoming the commitment made to strengthen cooperation with other Commissions in the region.

In his discussion with Ms Sword Gusmão, the Director-General presented the Timor-Leste-UNESCO Country Programme Document, which had just been finalized and printed. Elaborated with the support of the Jakarta Office, this document defines UNESCO’s strategic interventions in Timor-Leste for the next five years.

Among the urgent needs facing the country, the question of language policy was highlighted, including the promotion of education in mother tongue. The Director-General confirmed that literacy would continue to receive support in the next biennium at UNESCO. In the field of heritage, the Director-General encouraged Timor-Leste to start the procedure to ratify the 1972 World Heritage Convention and the 2003 Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage. After the ratification, Timor-Leste should prepare a tentative list of cultural and natural properties, which is a preliminary step to the nomination for inscription of properties on the World Heritage List. UNESCO could also assist in the identification of intangible heritage using the intangible Heritage Fund, once the 2003 Convention is ratified. The Director-general also took note of the needs expressed in the field of science education.

Finally, Mr Matsuura congratulated Ms Sword Gusmão for the joint project with UNESCO to establish a National Museum. This project, entitled “Rebuilding Social Cohesion of Communities through National Museum of Timor-Leste and Cultural Heritage Education” had been developed with the Ministers of Education and Culture and donors were currently being approached, including from the private sector. Mr Matsuura expressed his hope that the project would soon be up and running, saying that this would be an important step forward for building stability and peace in the region.

Autor (es): Office of the Spokesperson - Fuente: Flash Info N° 205-2009 -  Fecha de publicación: 19-10-2009

© UNESCO 1995-2009 - ID: 46768

Read more...

Entrevista exclusiva com o PM Xanana Gusmão em visita à China

video


http://portuguese.cri.cn/741/2009/10/19/1s114009.htm

Read more...

Governo da AMP elogia as eleições nos sucos e condena a interferência da Fretilin

>> 20091016




REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE
IV GOVERNO CONSTITUCIONAL

COMUNICADO DE IMPRENSA Díli – 15 de Outubro de 2009


Declaração
do
Porta-voz do IV Governo Constitucional,
Secretário de Estado do Conselho de Ministros

O Governo da AMP, liderado por Sua Excelência Xanana Gusmão, elogiou a Nação pela maturidade política que demonstrou nas eleições locais nos sucos. Os 13 distritos de Timor-Leste estão divididos em 442 sucos.

As eleições retrataram o sentimento geral de Paz que se vive no país, fruto da estabilidade que se sente actualmente em Timor-Leste.

Ao contrário do que acontece nas eleições presidenciais e legislativas, as leis eleitorais para as eleições nos sucos proíbem os candidatos de representar qualquer partido político. Os candidatos devem ser independentes e os eleitores são encorajados a votar naqueles que considerem que possam vir a ser os líderes que melhor respondam às necessidades das suas comunidades.

No dia 13 de Outubro a Fretilin fez uma declaração em que anunciou "Os resultados da eleição dos líderes comunitários realizada no último sábado, onde os representantes da FRETILIN conquistaram 56% dos cargos, ao que se juntam 10% de cargos ganhos por candidatos de coligações entre a FRETILIN e outros partidos. Em Díli a FRETILIN conquistou 60% das posições de liderança nos sucos."

O Porta-voz do IV Governo Constitucional e Secretário de Estado do Conselho de Ministros, Agio Pereira, afirmou que “As declarações da Fretilin aos meios de comunicação social no dia 13 de Outubro revelam um partido muito confuso em relação às leis.’

‘Estas declarações reflectem interferência num processo eleitoral conduzido dentro do espírito da independência. O respeito pela independência deste processo das eleições dos Sucos é de fundamental importância, pois foi criado para o beneficio das nossas comunidades.’

‘Aplaudimos todos os candidatos eleitos em toda a Nação por terem agido com integridade e dignidade nestas eleições. O IV Governo Constitucional deseja a cada um dos eleitos os maiores sucessos durante o termos dos seus mandatos e congratula, ainda, todos os votantes que participaram neste evento histórico nacional.”FIM

Para mais informações é favor contactar Ágio Pereira através do telefone +670 723 0011 ou do endereço de correio electrónico agiopereira@cdm.gov.tl

Read more...

Continua o delírio!!!


:)))



Legenda: Imagens manipuladas artisticamente (pelo menos tentou-se) - encontradas na internet - qualquer parecença com a realidade remete para um personagem meio ficcional chamado 'Malkatiri' do qual se desconhece o paradeiro. Esta selecção está aqui apenas para sustentar a alegria e boa disposição da blogger ao ler notícias hilariantes :-)

Nota: Salvaguarda-se o desejo de não querer ofender alguém. E se por acaso alguma susceptibilidade for tocada, digam-nos por favor que garantimos uma resposta condigna, sempre em prol do sentido de humor, liberdade de expressão e criatividade artística/expressiva.

Read more...

Timor-Leste: reabilitação de estradas

>> 20091015

Timor-Leste: Preparing the Road Network Development Project

Initial Environmental Examination:
© 2009 Asian Development Bank

Fonte: ADB

Read more...

Concurso Conto Infantil – Prémio Matilde Rosa Araújo vai chegar a Timor

"O concurso Lusófono da Trofa - Conto Infantil – Prémio Matilde Rosa Araújo, é um projecto que tem vindo a ser desenvolvido pelo Município da Trofa há oito anos e contou já com a participação de mais de 2000 autores, tendo como objectivo divulgar autores portugueses amadores, que não tenham nenhum livro publicado, fomentando a escrita criativa e a valorização da expressão literária. Esta iniciativa visa também a criação e consolidação de hábitos de leitura e escrita bem como valorizar a cultura do concelho.

Assim, e como já é habitual, o concurso decorre entre Outubro e Abril, porém, ao contrário de anos anteriores, o Concurso Lusófono da Trofa estender-se-á a todos os países de língua oficial portuguesa, como é o caso de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, S. Tomé e Príncipe e Timor.

Tendo em conta que fica a cargo do Instituto Camões a recepção e selecção dos contos candidatos ao concurso nos novos países aderentes e a publicação da obra seleccionada na Biblioteca Digital do Centro Virtual Camões, a Câmara Municipal da Trofa tem como responsabilidade, receber e seleccionar os contos a concurso em Portugal, e avaliar todas as obras, atribuindo a valorização final.

O concurso destina-se a cidadãos – escritores ou não - que não tenham qualquer obra publicada na área da Literatura Infantil. Serão admitidos a concurso cidadãos dos países de língua oficial portuguesa e ainda cidadãos naturalizados e estrangeiros cuja situação de permanência no país esteja devidamente legalizada e com residência comprovada há mais de 2 (dois) anos, até ao dia 31 de Dezembro de 2010.

O Concurso Lusófono da Trofa – Conto Infantil – Prémio Matilde Rosa Araújo concederá o Prémio Matilde Rosa Araújo, no valor de € 5000 (cinco mil Euros), para o Melhor Conto e o Prémio Lusofonia, no valor de € 1000 (mil Euros), para o Melhor Conto a ser atribuído a cada país que não seja contemplado com o prémio Matilde Rosa Araújo.

A divulgação dos vencedores e a cerimónia de entrega dos prémios serão realizadas no mês de Junho de 2010. O nome dos vencedores será publicado nos sítios da Câmara Municipal da Trofa (www.mun-trofa.pt) e Instituto Camões (www.instituto-camoes.pt) nos cinco dias úteis imediatamente a seguir à cerimónia de entrega dos prémios.
O concurso destina-se a cidadãos – escritores ou não - que não tenham qualquer obra publicada na área da Literatura Infantil.

Serão admitidos a concurso cidadãos dos países de língua oficial portuguesa e ainda cidadãos naturalizados e estrangeiros cuja situação de permanência no país esteja devidamente legalizada e com residência comprovada há mais de 2 (dois) anos, até ao dia 31 de Dezembro de 2010.

Este projecto, implementado pela Câmara Municipal da Trofa, em parceria com o Instituto Camões é sem dúvida uma iniciativa que visa valorizar não só a cultura do concelho, mas também, e fundamentalmente a Língua Portuguesa, prometendo uma contínua evolução.

Instituições envolvidas

Portugal
  • Câmara Municipal da Trofa
  • Instituto Camões
Angola
  • Centro Cultural Português em Luanda
Brasil
  • Centro Cultural Português em Brasília
Cabo Verde
  • Centro Cultural Português na Praia
  • Centro Cultural Português na Praia – Pólo no Mindelo
Guiné-Bissau
  • Centro Cultural Português em Bissau
Moçambique
  • Centro Cultural Português em Maputo
  • Centro Cultural Português em Maputo – Pólo na Beira
S. Tomé e Príncipe
  • Centro Cultural Português em S. Tomé
  • Centro Cultural Português em S. Tomé – Pólo na Ilha do Príncipe
Timor
  • Centro Cultural Português em Díli"

Fonte: MetroNew

Read more...

SIMPÓSIUM INTERNACIONAL EM TIMOR-LESTE

>> 20091014



International Symposium HERITAGE AND CULTURE OF TIMOR-LESTE
AND
Exhibition ROCK ART OF EAST TIMOR


Casa Europa, Dili, 14-17 October 2009

14, AFTERNOON
17:00 – Registration and Opening of Cultural Fair
19:00 – Opening of the exhibition “Rock Art of East Timor” (Exhibition room, Casa Europa)
20:00 – DINNER AND LIVE MUSIC (Inner Yard, Casa Europa)

15, MORNING
8:00 – Traditional Reception
8:15 – National Anthem, Hadahur School of Music
8:30 – Welcome speech to Casa Europa by His Excellency the Ambassador of the European Commission to Timor-Leste, Juan Carlos Rey,
8:45 – Welcome speech to the Symposium by His Excellency the State Secretary for Culture, Virgílio Simith,
9:00 – Official opening of the Symposium by His Excellency the Vice Prime-Minister of Timor-Leste, José Luis Guterres
9:20 – A National Policy for Culture in Timor-Leste – Virgílio Simith, State Secretary for Culture
9:40 – Major cultural projects in the Ministry of Education of Timor-Leste – Cecília Assis, National Director of Culture

10:00 – COFFEE-BREAK

THEME 1: Intangible Cultural Heritage (languages, traditional culture and music)
a) Timor-Leste within the Asia-Pacific region
10:30 – Timor-Leste and the Pacific – Ralph Regenvanu (Director, National Council of Culture, Vanuatu)
10:50 – Timor-Leste and Southeast Asia – Amareswar Galla (Professor in Museum Studies, University of Queensland, Australia)

11:10 – DISCUSSION

12:00 – LUNCH (Inner Yard, Casa Europa)

15, AFTERNOON
b) Culture of Timor-Leste
13:30 – Traditional cultures of Timor-Leste – António Vicente (Diocese of Baucau, Timor-Leste)
13:45 – Sincretisms: traditional beliefs and the catholic religion in Timor-Leste – Padre Apolinário Guterres (Vicar, Diocese of Dili, Timor-Leste)
14:00 – The culture of Timor-Leste seen by a “malai” – Paulo Castro Seixas (Professor of sociology and anthropology, University Fernando Pessoa, Portugal)

14:15 – DISCUSSION

c) Music and Archives
14:45 – Teaching music in Timor-Leste: potentials and challenges – Ros Dunlop (Musician, Sydney Conservatorium, Australia)
15:00 – Preserving audiovisual records in East Timor – Max Stahl (Director, Maxh Stahl Audiovisual Centre, Timor-Leste)

15:15 – DISCUSSÃO

15:45 – PAUSA PARA CAFÉ
d) Language and cultural identity (Round-table)
16:15 – Linguistic Policy: official, national and working languages – Nuno Gomes (Linguist, National Institute of Linguistics, Timor-Leste)
16:25 – Language in education – Marie Quinn (Researcher in language and education, Police Training Centre, Timor-Leste)
16:35 – Language in the community – João Paulo Esperança (Linguist and translator, Timor-Leste)

16:45 – DISCUSSION

18:00 – COFFEE-BREAK

18:30 – MOVIE: Hanesan Maibe Ketak-Ketak (David Palazón, Timor-Leste 2009, 56min.)
20:00 – DINNER AND LIVE MUSIC (Inner Yard, Casa Europa)
16, MORNING
THEME 2: Moveble and Unmoveble Cultural Heritage
a) Archaeology
9:00 – The archaeological heritage of Timor-Leste – Nuno Vasco Oliveira (Archaeologist, adviser to the Secretary of State for Culture, Timor-Leste)
9:15 – Rock art in Timor-Leste – Sue O’Connor (Archaeologist, Head of the Department of Archaeology and Natural History, Australian National University)

9:30 – DISCUSSION

10:15 – COFFEE-BREAK
b) Arts
10:45 – The promotion of handicraft industries– Cecília Fonseca (Program Manager, Alola Foundation, Timor-Leste)
11:00 – Arts and artists in Timor-Leste – Iliwatu Danabere (Director, Arte Moris School of Arts, Timor-Leste)
11:15 – A curricula for arts and design in Timor-Leste – Tony Fry (Adjunct Professor, Queensland College of Arts, Griffith University, Australia)

11:30 – DISCUSSION

12:00 – LUNCH (Inner Yard, Casa Europa)

16, AFTERNOON
c) Ethnography and Architecture
13:30 – Traditional East Timorese architecture – Eugénio Sarmento (Lia Nain of Samoro, Soibada, Timor-Leste)
13:45 – Contemporary architecture and national identity in Timor-Leste – Tânia B. Correia (Architect, Adviser to the Archives and Museum of the Timorese Resistance, Timor-Leste)
14:00 – DISCUSSION
THEME 3: Museums and World Heritage
a) The National Collection of Timor-Leste
14:30 – The history of the National Collection of Timor-Leste – Virgílio Simith (State Secretary for Culture, Timor-Leste)
14:45 – The former provincial museum of Timor Timur – Wahyu Satpono (Archaeologist, Archaeology Research Centre, Indonesia)
15:00 – Collections of Timor-Leste in the world – Joanna Barrkman (Curator, Museum and Art Gallery of the Northern Territories, Australia)

15:15 – DISCUSSION

15:45 – COFFEE-BREAK

b) Living culture and world heritage
16:15 – The museum beyond objects – Joaquim Pais de Brito (Director, National Museum of Ethnology, Portugal)
16:30 – Culture, museums and UNESCO in Timor-Leste – Masanori Nagaoka (UNESCO Jakarta, Indonesia)

16:45 – DISCUSSION
17:45 – Closing of the Symposium by His Excellency the Minister of Education, João Câncio Freitas

18:00 –TRADITIONAL MUSIC AND DANCE PERFORMANCE (Inner Yard, Casa Europa)

20:00 – DINNER (Inner Yard, Casa Europa)

17, MORNING
8:00 – Departure of one-day tours
19:00 – Arrival of one-day tours


Read more...

Uma tarefa impossível?

Esta agência de viagens - Vayama - acha que Timor Leste seja na Indonésia! Tenho correspondido com a companhia por quase um anho, antes e depois na minha viagem para Timor Leste, mas ainda não fez nada para corregir a informação.





Request History Ken Westmoreland (Client) Posted On: 07 Dec 2008 07:04 AM

Hi there,

I was very pleased to see that it was possible to book direct flights between Singapore and Dili on your website. However, I was very diappointed that Vayama listed it as being in Indonesia, and not in East Timor (also know as Timor Leste) which has been an independent state since 2002.

This seems to be a problem common to a lot of travel portals, which is incomprehensible, given that Montenegro has only been independent since 2006, although nobody would suggested that Podgorica Airport (TGD) be listed as being 'Montenegro, Yugoslavia'.

While it may seem a small detail to some people, it is a matter of courtesy to the people who live in those countries.

As they say in East Timor 'obrigadu barak' - thank you very much!

Yours sincerely,


Ken Westmoreland
________________________________

Monte (Staff) Posted On: 08 Dec 2008 06:11 AM

Dear Ken,

Thank you for using vayama and providing your feedback regarding the vayama website. We value our customer's input and suggestions as you provide a perspective we may have missed since we work so closely with the information on a daily basis. We will take your suggestion into consideration.

Thank you again for your feedback and we look forward to being able to serve you in the near future.

Sincerely,


vayama Customer Feedback Team
Monte



________________________________

Monte (Staff) Posted On: 08 December 2008 04:13 PM

Dear Ken,

After further review in hopes of verifying how these cities are listed on the Vayama site, I have found that Dili and Podgorica are listed as follows:

Dili, East Timor, Indonesia, Dili Arpt. (DIL) Podgorica, Montenegro, Podgorica Arpt. (TGD)

Please, if possible, clarify what problems or disappointments you have with the listings so that it may be forwarded to our site management department for review.

You may certainly reply or contact our agents at 1-888-829-2621 or internationally at 701-232-3760 for assistance making a reservation or with any questions/concerns.


Sincerely,


International Travel Specialist
Monte

________________________________


Ken Westmoreland (Client) Posted On: 08 Dec 2008 08:31 AM


Dear Monte,



Thank you for your further reply.

I thought that I had made myself clear in my original message, but to clarify matters, I am asking that ‘Dili, East Timor, Indonesia, Dili Arpt. (DIL)’ be changed to ‘Dili, East Timor, Nicolau Lobato Arpt. (DIL)’ because East Timor is not in Indonesia, it is an independent state. The airport was renamed after an independence leader who died during Indonesian rule.

http://www.azworldairports.com/airports/a1488dil.cfm

My point about the listing for Podgorica Airport in Montenegro was that Montenegro has been an independent state for less time than East Timor. I therefore have no issue with the listing on your site, as the correct information has been entered.



Thanks again.



Kind regards



Ken

________________________________

Monte (Staff) Posted On: 08 Dec 2008 08:52 AM

Dear Ken,

Thank you for the clarification, your input is now well understood.

I have forwarded on our communication to the appropriate department for further review.

We thank you for your suggestion and would be happy to assist you with any further questions/concerns.

Please contact our agents at 1-888-829-2621 or internationally at 701-232-3760 if you need our assistance, or you may certainly reply.

Sincerely,


International Travel Specialist
Monte

________________________________

Ken Westmoreland (Client) Posted On: 01 Mar 2009 02:27 PM


Dear Monte,


Further to our correspondence below, I am very disappointed that you colleagues have yet to correct the information on their database, which still lists Dili Airport as being in Indonesia, instead of East Timor. I have recently been in East Timor, which I can confirm is a separate country from Indonesia – I even had to apply for a visa at the Indonesian Embassy in Dili in order to re-enter Indonesia.

I would be grateful, therefore, if your colleagues could correct this information as soon as possible



Yours sincerely


Ken Westmoreland

________________________________

David R (Staff) Posted On: 03 Mar 2009 11:44 AM


Dear Ken -

Thank you for your updated response. Given the way our online Mapping system works, we're needing to await the rollout of the next version of the interactive Mapping and associated Country/City Airport codes to implement the change you've referenced. Since the mapping application is a "third party" application, we don't have the luxury of being able to just jump in and make corrections.

That said, it IS being corrected and will be reflected within the new release scheduled for the beginning of the 3rd quarter of this year.

Sincerely,
David

vayama Customer Relations Manager

________________________________

Ken Westmoreland (Client) Posted On: 11 Oct 2009 12:40 PM


Dear David,

I have checked your website, and Dili is STILL listed as being in 'East Timor, Indonesia' when it should be in 'East Timor' or 'Timor Leste'. We are now in the fourth quarter of the year. When is it going to be corrected?

Ken

________________________________

David R (Staff) Posted On: 13 October 2009 08:58 PM

Hi Ken -
Well, I'm just the messenger here. But I understand and agree this information should be accurate. To that end I've once again forwarded your information along to our Chief Technology Officer.

Thanks for keeping us on our toes!

David

vayama Customer Relations Manager

Read more...

COMUNICADO DE IMPRENSA | Governo recebe Moção de Confiança

>> 20091013


REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR¬LESTE
IV GOVERNO CONSTITUCIONAL
______________________________________________________

COMUNICADO DE IMPRENSA DÍLI – 12 DE OUTUBRO DE 2009

Declaração
do

Porta-voz do IV Governo Constitucional,

Secretário de Estado do Conselho de Ministros

Governo recebe Moção de Confiança


O dia de ontem assinalou uma nova era nos sistemas democráticos em Timor-Leste, um Estado Nação com sete anos de idade.

O Primeiro-Ministro, Kay Rala Xanana Gusmão, demonstrou uma vez mais o seu compromisso para com a liderança nacional ao encetar um debate franco e aberto que se prolongou por dez horas, respondendo a uma Moção de Censura apresentada pela Fretilin.

O debate foi transmitido em directo pela televisão e pela rádio, cobrindo toda a Nação e chegando até à Indonésia. O Primeiro-Ministro ouviu pacientemente as críticas e os pedidos de explicação e respondeu prestando todas as informações que o tempo parlamentar lhe permitiu.

O Primeiro-Ministro reiterou o facto de que o debate público, que constituiu um processo aberto e transparente, é um sinal de grande progresso para a Nação. Durante o tempo do anterior Governo era extremamente raro o antigo Primeiro-Ministro e os antigos Membros do Governo acederem a responder mesmo a perguntas de rotina, preferindo usar a maioria parlamentar absoluta para reprimir quaisquer críticas ao Governo de Alkatiri.

O Primeiro-Ministro recordou também à Oposição que embora o relatório da Comissão de Acolhimento, Verdade e Reconciliação (CAVR) intitulado “Chega!” tivesse sido transmitido ao Parlamento Nacional em Novembro de 2005, o anterior Governo não tomou qualquer iniciativa no sentido de debater e implementar as respectivas recomendações.

Pela primeira vez Xanana Gusmão relatou o processo consultivo do caso Bere, o qual envolveu os titulares de todos os principais órgãos do Estado: o Presidente da República, a Presidente interina do Tribunal de Recurso (Natércia Gusmão), a Procuradora-Geral da República e o líder do principal partido da oposição, o Dr. Mari Alkatiri.

Gusmão descreveu a censura política como ‘oportunismo político’ numa matéria profundamente sensível para os timorenses, “O oportunismo político é, talvez, a mais poderosa de todas as tentações na política: é muito difícil lutar contra uma tendência que anda inerente ao homem e sobretudo à sua pequenez e à sua fragilidade perante ideias e políticas mais fortes e muito melhor preparadas.”

O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão transmitiu à Nação a sua visão para o futuro com uma abordagem honesta e clara à política, assente nos interesses nacionais fundamentais que têm eco nos corações e nas mentes do Povo.

O Primeiro-Ministro, Kay Rala Xanana Gusmão, demonstrou uma vez mais o seu compromisso para com o Povo e para com a Nação. O debate público serviu para reforçar a confiança no IV Governo Constitucional, tendo o Governo Gusmão acabado por obter um apoio retumbante da parte do Parlamento Nacional. FIM
Para mais informações é favor contactar Ágio Pereira através do telefone +670 723 0011 ou do endereço de correio electrónico agiopereira@cdm.gov.tl

Read more...

Resposta do PM Xanana Gusmão à Moção de Censura

>> 20091012



INTERVENÇÃO – RESPOSTA DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO

KAY RALA XANANA GUSMÃO

POR OCASIÃO DA MOÇÃO DE CENSURA


(Sessão Plenária do Parlamento Nacional – 12 de Outubro de 2009)



Nos termos do nº. 1 do artigo 111º. da Constituição da RDTL, as moções de censura ao Governo seriam sobre: 1- execução do seu programa ou 2- assunto de relevante interesse nacional.

Assim, a presente moção de censura, requerida pela Fretilin, versa sobre ‘assunto de relevante interesse nacional’! E o ‘assunto de relevante interesse nacional’ em questão, que mereceu esta moção de censura, é o Sr. Maternus Bere! Porque o acto de ‘retirar da cadeia de Becora’, acto que, segundo a Fretilin, foi ‘uma clara afronta à Constituição da RDTL e as leis em vigor no nosso País’, dizia respeito ao Maternus Bere.

(Nunca o pobre homem imaginou que seria assim categorizado de ‘assunto de relevante interesse nacional’, num país que nem é dele!)

E, no documento da Moção, pode ler-se ainda: ‘quem o decidiu fê-lo ilegalmente’ e também que: ‘o próprio Primeiro Ministro, nas suas declarações aos órgãos de comunicação social ..., admitiu ter ordenado o retiro do Maternus Bere da prisão de Becora sem acto judicial e aceitar responsabilizar-se pelo mesmo’.

No mesmo documento, os Deputados da Fretilin mencionam uma suposta ‘proposta de amnistia para todos os crimes praticados em T-L entre 1974 até à presente data’. Mas depois afirma que ‘só uma decisão do Tribunal competente em razão da matéria se pode considerar decisão do Estado’.
Porque se nota que os deputados requerentes da Fretilin estão confusos nas suas ideias, permitam-me, distintos titulares deste órgão de soberania, dividir a minha intervenção/resposta em 3 partes para uma abordagem mais global da problemática do Estado. E, assim, esta minha intervenção, vai requerer mais tempo do que os 30 minutos que o vosso Regimento me concede.
Quero lembrar a todos que, em Março de 1993, fui julgado em Díli, por um Tribunal indonésio.

O painel de Juízes, cuja competência de me julgar eu questionei, ordenou que eu parasse de ler o meu ‘pleido’, inibindo-me de continuar a argumentar em minha defesa.

Eu espero que, dada a importância que um ‘assunto de relevante interesse nacional’ assim requer, nesta Magna Casa da democracia da República Democrática de Timor-Leste, os distintos deputados, sendo os verdadeiros representantes das aspirações democráticas do nosso Povo, não me impedirão de falar em minha defesa, pelo tempo necessário. Quanto a mim, não será justo que a minha defesa seja limitada pelas regras internas deste Parlamento. Se o fizerem, estarão a proceder tal e qual como os juízes indonésios que me condenaram a pena perpétua, sem sequer se prestarem a ouvir os meus argumentos de defesa.


I PARTE

Interesses Nacionais – Políticas do Estado – Decisões do Estado


Eu sei que a bancada da Fretilin gostaria que eu viesse aqui para responder apenas sobre a ilegalidade do meu acto, para que o Parlamento Nacional possa chegar à conclusão de que o Governo, que eu chefio, ‘não está em condições de dirigir os destinos da nação’, tal como reza o documento de censura.

Não se pode discutir a tal ilegalidade do acto, sem haver uma compreensão mais lata sobre o problema de interesses nacionais porque, como me referi no início, é sob a perspectiva de ‘assunto de relevante interesse nacional’ é que a moção de censura pôde ter cabimento legal e vir à Plenária de hoje.

Por isso mesmo, nesta I parte da minha intervenção, vou abordar os seguintes temas: Interesses nacionais, políticas do Estado e decisões do Estado.

Importa realmente pensar primeiro sobre o que é, o que significa, INTERESSE NACIONAL?

- Eu fui membro do Comité Central da Fretilin:- As mudanças que se efectuaram, em 1986, para o estabelecimento do CNRM, foi sob o conceito, a perspectiva de interesse da Luta, interesse nacional.

Quando em 1997, a mudança da designação ‘CNRM’ para ‘CNRT’, foi no contexto de interesse da Luta, interesse nacional.

- Quando, em 1999, se realizaram encontros entre todos os timorenses, conhecidos como Dare I, em Dare, e Dare II, em Jakarta, tudo foi feito no contexto de interesse nacional.

- Quando, em Agosto de 1999, as FALINTIL, decidiram não entrar em combate com os milícias, que estavam a matar a nossa população, aquela decisão foi tomada no contexto de interesse nacional.

- Quando, ao longo de 2000 e 2001, se procederam aos encontros de reconciliação entre timorenses, nas fronteiras, com a participação efectiva e determinante, muitas vezes, do distinto deputado requerente, Sr. Mandati, sem condições nem financeiras nem logísticas, isto tudo foi feito no contexto de interesse nacional.

- Quando, em 2001, depois da timorização da administração, o Ministro Chefe, na altura Dr. Mari Alkatiri, vai representar Timor-Leste, ao lado do Sérgio Vieira de Melo, visitar Jacarta e apertar a mão aos generais indonésios, isto foi compreendido sob o contexto de interesse nacional.

- Quando, em 20 de Maio de 2002, a Presidente Megawati Soekarnoputri foi ovacionada pela população e por todos os timorenses quantos estiveram presentes em Tasi Tolu, o nosso Povo demonstrou clara percepção do conceito ‘interesse nacional’.

- Quando, em 12 de Junho de 2003, o já então Primeiro Ministro, Dr. Mari Alkatiri, de visita oficial a Jacarta, defende, numa entrevista à Agência Lusa, que ‘uma amnistia geral para os responsáveis por crimes cometidos em Timor-Leste em 1999’, era ‘a única solução para corrigir ‘a injustiça e iniquidade’‘dificilmente, alguma vez, julgados’ (palavras do Dr. Mari), que havia, com timorenses de terceira linha na cadeia e outros responsáveis (palavras do Dr. Mari).... num reconhecimento claro que será ‘impraticável’ levar a um tribunal os principais responsáveis’.

Segundo a Lusa, ‘para o Chefe do Governo é ‘praticamente impossível’ haver endosso do Conselho de Segurança da ONU para a criação de um qualquer tribunal internacional, sendo que é ainda mais complicado levar a um tribunal timorense qualquer militar, polícia ou civil indonésio’.... Ainda segundo a Lusa, a parte mais importante no que concerne às declarações do então Primeiro-Ministro, Dr. Mari Alkatiri: ‘Ninguém nega ou pode negar a justiça. É uma questão sagrada.

A visão pragmática visa deixar que os processos de desenvolvimento social e político em cada país corram no seu ritmo normal, até que cada lado tome consciência das suas responsabilidades por estas situações’ (palavras do Dr. Mari). Tudo isto revela a compreensão exacta de interesse nacional, que daria lugar a políticas do Estado.

- Quando o Parlamento Nacional, na sua I Legislatura, onde, de 88 assentos, a Fretilin detinha 65, criou a Comissão de Acolhimento, Verdade e Reconciliação, foi no espírito de defesa de interesses nacionais.

O Relatório do CAVR foi entregue ao PN, em Novembro de 2005, por mim.

No documento da moção de censura, os deputados requerentes, realçam que ‘existe um total desrespeito do Governo por este órgão de soberania e pelos tribunais’. Bem, até ao final da I Legislatura, a maioria parlamentar, que era da Fretilin, nunca tomou uma iniciativa de agendar para discutir o relatório e as suas recomendações, que teriam ajudado imenso ao Estado a definir as suas políticas – isto só revelou total desinteresse, por parte da Fretilin, por assuntos de ‘relevante interesse nacional’.

- Quando o Parlamento Nacional, na sua I Legislatura, onde, de 88 assentos, a Fretilin deteve 65, criou a Comissão de Verdade e Amizade, trabalhando em conjunto com a Indonésia, foi também no espírito de defesa de interesses nacionais. O Primeiro-Ministro do I Governo Constitucional assinou o acordo com o Estado indonésio. Para receber o Relatório, o Dr. Mari Alkatiri esteve presente, como expressão também de que, o que ele começou, terminou bem com a missão cumprida.

Mas este Parlamento também nunca tomou a iniciativa de agendar a discussão do Relatório, de que o Presidente da República já fez entrega, o que dificulta a implementação das recomendações. Com um Chefe de Bancada que foi Comissário na CVA e Presidente da CAVR, a Fretilin não moveu um dedo e agora afirma que ‘existe um total desrespeito do Governo por este órgão de soberania e pelos tribunais’.

Isto revela a falta de consciência sobre o que é interesse nacional, de forma que permitiu que um Maternus Bere aparecesse agora como um ‘assunto de relevante interesse nacional’.

- Quando o Governo do Dr. Mari Alkatiri concorda com as assinaturas dos SOFAs, nomeadamente com os EUA, como o PR lembrou numa entrevista recente, é no contexto de ‘interesse nacional’.

Caríssimos deputados, Interesse nacional consiste em desenvolver a Nação!

Interesse nacional consiste em defender o progresso, a estabilidade política, social e económica e assegurar a segurança interna.

Interesse nacional é defender os interesses de cada um dos timorenses. Interesse nacional é também criar um ambiente de unidade e coesão, é promover a reconciliação!

Mas não nos podemos isolar do mundo. Interesse nacional pressupõe, por isso, cumprir o nº.4 do artigo 8º. da Constituição da RDTL, que os Senhores deputados requerentes como Francisco Branco, Joaquim Amaral, Elizário Ferreira, António Cardoso, Joaquim dos Santos e Manuel Tilman também assinaram, em 22 de Março de 2002.

A Constituição diz: ‘A República Democrática de Timor-Leste mantém laços especiais de amizade e cooperação com os países vizinhos e os da região’. Qual, senhores que redigiram a Constituição da República, é ou devia ser o sentido mais apropriado do termo ‘laços especiais’?

- Eu não sei se o Deputado Arsénio Bano sabe das incursões do TNI nas balizas de Oé-Cusse e, há 2 semanas, aconteceu de novo! Eu não sei se está a par das dificuldades que existem no processo de delimitação das fronteiras, em Oé-Cusse. Porque também é requerente, penso que não sabe. Ou porque já não vai a Oé-Cusse, ou, se vai, é apenas para a consolidação do partido.

- Eu não sei também se o Deputado Aniceto Guterres sabe das dificuldades de delimitação das fronteiras, nas áreas do distrito de Bobonaro. Parece que não, porque a delimitação das fronteiras, para o Deputado Aniceto Guterres, não é assunto de interesse nacional; o Maternus Bere, sim, é de relevante interesse nacional.

- Eu não sei se os deputados da Fretilin sabem que temos mais de 8 mil estudantes na Indonésia. Eu posso compreender se não sabem, já que eu posso compreender que os deputados da Fretilin não vão à Indonésia, que os deputados da Fretilin não têm familiares na Indonésia e, muito menos, os deputados da Fretilin não têm filhos a estudar na Indonésia.

Deus nos valha se isto acontecesse, e ainda bem que os deputados da Fretilin possuem uma visão mais estratégica, que ultrapassa a Indonésia! Podem sair de Timor-Leste, ou pela Air North ou pelo Silk Air.

- Eu não sei se os deputados da Fretilin sabem que mais de 75% do movimento comercial em Timor-Leste é com a Indonésia.

- Finalmente, eu penso que os deputados da Fretilin, porque definiram o Maternus Bere como ‘assunto de relevante interesse nacional’, esqueceram-se de que a Indonésia foi a grande promotora da nossa entrada na ARF (Asean Regional Forum) e está na linha da frente defendendo a inclusão de Timor-Leste na ASEAN.


Caríssimos deputados,

Como é que se colocam os interesses do Estado? Como se definem as políticas do Estado? E para quê? E porquê? – perguntas difíceis, que eu não posso responder! Estão para cima das minhas competências políticas. O verdadeiro lugar para as definições do Estado é o Parlamento Nacional.

Faço votos para que produzam, pois todos ganharemos com isso, aprendendo de vós!

Peço contudo licença para dizer que as políticas que o nosso Estado venha a tomar serão, necessariamente, para salvaguardar os interesses nacionais e os interesses nacionais devem ser, fundamentalmente, orientados no sentido de:

- garantir a soberania

- garantir a estabilidade e a paz

- garantir uma diplomacia de inserção ou de integração regional


Se não possuirmos objectivos claros para definirmos os interesses da Nação, para os quais se estabelecem as políticas do Estado, o nosso País não saberá para onde ir.

Já o Dr. Mari Alkatiri, em Junho de 2003, disse à Lusa, durante a sua visita oficial a Jakarta: ‘O Governo e a Presidência da República, como têm que lidar no dia-a-dia com questões de relacionamento bilateral entre os dois países, buscam uma abordagem pragmática que permita fazer avançar as relações. Não podemos querer avançar com uma abordagem que em termos práticos, não nos permitirá alcançar um fim, e que em termos reais só criaria mais problemas entre os dois países’.

Se esta declaração política do Dr. Mari, que eu acabei de citar, não ajuda os deputados da bancada da Fretilin a abrir a visão sobre o Estado, eu serei forçado, por amizade e por solidariedade democrática, repito, serei forçado a dizer ao Secretário-Geral do vosso Partido, que é preciso renovar o Partido.


II PARTE

Crimes Graves - Justiça ou Amnistia?


Os deputados requerentes escreveram assim na Moção de Censura: ‘A libertação de Maternus Bere foi já reconhecida ... como uma decisão política...’. Mais adiante: ‘Maternus Bere, líder das milícias Laksaur, responsáveis pelo massacre de Suai onde cerca de 200 pessoas morreram... foi libertado...’

O documento também reza assim: ‘A actual situação deve ser vista num contexto mais amplo da vontade do Governo e do Presidente da República de apresentar uma proposta de amnistia para todos os crimes praticados em Timor-Leste entre 1974 até a presente data’.

Quando, atrás, disse que os deputados requerentes estavam confusos nas suas ideias, é porque, em termos de raciocínio, se contradizem.

No encontro com todas as bancadas representadas no Parlamento, da actual Legislatura, convocadas pelo Presidente da República, o nosso Chefe do Estado entregou um esboço e disse: ‘A decisão está nas vossas mãos, no Parlamento Nacional. Se os Partidos considerarem que é um assunto de interesse nacional, discutam. A Fretilin concorda, cabe aos outros Partidos decidir também. Mas se pensam que este assunto não tem importância, eu, como Presidente da República, não pressionarei ninguém’. Foi o então Presidente do PSD e ainda Deputado, Eng.º. Mário Carrascalão, quem sugeriu que, ao invés de 1999 a 2006, porque não desde 1974.

Para que não haja dúvidas, reporto-me outra vez, à entrevista concedida, em 12 de Junho de 2003, à Lusa pelo então Primeiro-Ministro, Dr. Mari Alkatiri: ‘Cabe ao Parlamento decidir sobre a amnistia que penso ser a única solução para o problema.

É uma questão que merecia um debate nacional em Timor-Leste.’ Mais adiante, o Dr. Mari afirmou: ‘Penso que o debate deveria analisar toda a política relativamente à questão (da justiça). Como cidadão e como primeiro-ministro vou defender nesse debate a amnistia porque acho que a justiça já foi feita e há que trazer essas pessoas novamente para a sociedade’.


Caríssimos Deputados

Qual foi o objectivo da CAVR? Para produzir a lista dos criminosos e passá-los aos Tribunais? O que é que se desejava, como Estado? A Justiça? E se justiça, qual justiça? Olho por olho, dente por dente... ou... Justiça por próprias mãos? E justiça para quem? Para os generais indonésios e só eles? Ou também só os milícias é que deveriam ser punidos?

A Justiça só vale como justiça, se for só aplicada para os casos de 1999? E os casos de antes de 1999 podem ficar simplesmente no esquecimento das pessoas?

Qual a noção da justiça em relação aos timorenses? Os Partidos políticos não teriam nada a responder? A UDT? A própria Fretilin? E os restantes partidos que assinaram a integração para validar a invasão e a ocupação? Ou os resultados da CAVR não valem? Ou as recomendações da CAVR não têm sentido?

Os deputados requerentes da Fretilin estão completamente errados, ao afirmar que seja ‘vontade do Governo... de apresentar uma proposta de amnistia’, porque nunca em nenhuma ocasião, como Chefe do Governo, declarei que o meu Governo iria tomar tal iniciativa.

Os Partidos que compõem a AMP não têm nenhum interesse especial numa Lei de Amnistia.

Dos 5 partidos, só a ASDT tem memória de participação no processo desde 1974. Nem o PD, nem o PSD, que só vieram da Assembleia Constituinte e muito menos a UNDERTIM e o CNRT até só apareceu à hora das eleições de 2007.

Quem estaria interessado numa lei de amnistia, por parte dos Partidos do Governo?

Que vontade, em termos de ganhos, em termos de benefícios, pode ter este Governo, formado apenas por Partidos que não se envolveram directamente nas matanças de 1974 e 1975, para apresentar uma proposta de Lei de Amnistia? Enquanto Partidos, nenhum!

- Nenhum Partido da AMP, portanto do Governo que eu lidero, se responsabiliza pela violência e pelas matanças, ocorridas a partir de Abril de 1974 a Agosto de 1975!

- Nenhum Partido da AMP esteve envolvido na guerra civil que aconteceu em 1975!

- Nenhum Partido da AMP, se responsabiliza pelos massacres de Aileu e de Same, em Dezembro de 1975!- Nenhum Partido da AMP se responsabiliza pela prisão, tortura desumana na pessoa do Francisco Xavier do Amaral e na execução de dezenas de pessoas inocentes, ocorridas em 1977!

- Nenhum Partido da AMP se responsabiliza pela morte de tantos outros quadros da resistência, civis e militares, durante as Bases de Apoio!Por isso, falar sobre ‘vontade do Governo’ até parece que se quer dar a entender que os Partidos, que constituem o IV Governo Constitucional, têm crimes a redimir!

E, caríssimos deputados, sou eu que falo - Kay Rala Xanana Gusmão! Fui membro do Comité Central da Fretilin, desde 1975 a l986, conduzindo uma guerra, quando muitos de vós não tinham ainda responsabilidades sobre os vossos ombros, já que agora a vossa maior responsabilidade está em fiscalizar os actos do governo.

Em Dezembro de 1986, mandei uma mensagem ao exterior, aos camaradas no exterior, a reconhecer, como era meu dever moral e político, que nós, os timorenses, também cometemos crimes! Devo dizer... que desagradou a muitos!

Disse na 1ª Conferência da Fretilin, em Maio de 2000, no Ginásio, que eu assumia, juntamente com os meus camaradas da Fretilin, todos os erros cometidos até Dezembro de 1986. E que os timorenses podiam estar descansados porque, de 1987 a 1999, porque era eu quem liderava a luta, assumo todos os possíveis crimes cometidos pelo CNRM, pelo CNRT e pelas FALINTIL.

Espero que o Meritíssimo Juiz de Suai esteja a ouvir-me, para acreditar que poderá dar valor às decisões do Estado que o Tribunal Distrital vier a tomar.Mas a tal proposta de lei de amnistia, a partir de 1974, que até nem afecta em nada os Partidos da AMP, deve ser vista como um acto político do Estado.

Uma tal proposta de Lei de Amnistia, a partir de 1974, implicaria reconhecimento de crimes, alguns dos quais ‘crimes de guerra’, convencionados nos Crimes Graves!Mas, já que o caso de Martenus Bere é considerado já assunto de relevante interesse nacional, será que a Bancada da Fretilin aceita que uma lei de amnistia não vai contra o conceito de Justiça da Fretilin?

Amnistia significa acto político, nunca do Tribunal, de perdoar um crime. Porque é que temos que perdoar um crime? Onde está a noção da Justiça? – estas são as perguntas que o documento da Moção de Censura subentende no seu espírito.

Porque os deputados requerentes sabem que não tirei o Martenus Bere para o afogar no mar.

Se ‘a decisão do Governo de mandar retirar da cadeia de Becora, o Sr. Martenus Bere é uma clara afronta à Constituição da RDTL e as Leis em vigor’, fico estarrecido numa possível afronta do tamanho dos crimes cometidos desde 1974, à nossa Constituição, se qualquer bancada no Parlamento tentar avançar com tal proposta de lei de amnistia.

Vou já avisar ao meu Partido, o CNRT, de evitar afrontas à Constituição da RDTL e poupar trabalho à Fretilin.

Porque, senhores deputados, estou a tentar imaginar o pandemónio jurídico e legal da questão!

O artigo 161.º da Constituição da RDTL escreve (oh, desculpem, a Constituição não escreve; os 6 deputados requerentes da Fretilin, mais outros é que escreveram a Constituição), que diz assim: ‘Os actos cometidos entre 25 de Abril de 1974 e 31 de Dezembro de 1999 que possam ser considerados crimes contra a humanidade, de genocídio ou de guerra são passíveis de procedimento criminal junto dos tribunais nacionais ou internacionais’.

Aceitando, porém, ver-se numa outra perspectiva mais positiva: se a Fretilin concorda com a proposta de Lei, a Fretilin vai aparecer como não consistente com os seus valores sobre a Justiça. Um grande dilema de consciência!

Se a Lei passa e é promulgada e o Tribunal de Recurso fecha o olho, quando a Lei vigorar, o Parlamento interferiu nas competências dos Tribunais, porque só a decisão dos Tribunais é decisão do Estado, como se lê no documento da moção.

O Parlamento, nesse caso, estaria a legalizar o ilegal, a legitimar o inconstitucional.Será que só quando há uma lei legalizando o ilegal, é que não há já violação dos princípios?

Nesse caso, se a Fretilin participa na aprovação de uma Lei de Amnistia, pode-se perguntar o porquê e o para quê tudo isto, em relação ao Martenus Bere, que deve estar orgulhoso por ser agora ‘assunto de relevante interesse nacional’ para Timor-Leste?

Vamos pensar que se apresenta a proposta da lei, que os deputados da Fretilin não assinam, depois é aprovada pela maioria, da AMP, e a Fretilin levanta a inconstitucionalidade da lei, no Tribunal de Recurso.

E eu acredito na independência dos Tribunais, a Lei será inconstitucional e a afronta será do tamanho dos crimes cometidos desde Abril de 1974.

Repito: os Partidos da AMP, enquanto Partidos, não perdem em absoluto se não há essa Lei da Amnistia, porque nenhum deles foi interveniente directo nos crimes, desde Abril de 1974 a Dezembro de 1999.


III PARTE

Instituições do Estado: legalidades e ilegalidades


Os deputados requerentes justificaram também a Moção nos seguintes termos: ‘Maternus Bere... foi libertado por um acto não judicial’. E ‘o retiro de Maternus Bere da prisão de Becora sem acto judicial’.

E ‘a decisão do Governo... é uma clara afronta à Constituição e as leis em vigor no nosso país.’ Finalmente, ‘quem o decidiu fê-lo ilegalmente’.

O nosso Estado tem 7 anos de processo de construção e Timor Leste está na lista dos Estado frágeis e o que vou apresentar é a situação real do processo do desenvolvimento do nosso Estado.

Sou obrigado a fazer assim, para que se reponha a verdade das coisas e para que não se dê azo a oportunismos políticos de pouca responsabilidade.Vou agora pôr-vos ao corrente da cronologia dos factos:

- Maternus Bere entrou legalmente em 9 de Agosto, isto é, com visto de entrada no seu passaporte. Houve erro por parte de agências do Governo;

- Familiares de vítimas viram-no e espancaram-no - é princípio não admitir-se fazer justiça por próprias mãos;

- A polícia evita o pior e detém-no e, sabendo do que se tratava, entrega-o à justiça;

- O Tribunal Distrital de Suai inicia o processo e ordena a prisão preventiva.


Houve claro desconhecimento do Regulamento da UNTAET nº. 2000/15 sobre a ‘criação de câmaras com jurisdição exclusiva e especial sobre delitos graves’, que estabelece uma jurisdição exclusiva e especial, com exclusão expressa de qualquer outro Tribunal, e esta competência pertence ao Tribunal Distrital de Dili e ao Tribunal de Recurso.

O Código do Processo Penal, através do Decreto-Lei nº 13/2005, de 1 de Dezembro, salvaguarda expressamente o regime criado pelo Regulamento da UNTAET 2000/15.

- Todos vão concordar comigo que o Tribunal Distrital de Suai não ordenou a prisão de Maternus Bere porque ele foi espancado; seria de todo irracional pensar-se assim!

O nº. 2 do artigo 30º. da Constituição da RDTL diz que ‘ninguém pode ser detido ou preso senão nos termos expressamente previstos na lei em vigor’, devendo sempre a detenção ou a prisão ser submetida à apreciação do juiz competente no prazo legal. E isto não aconteceu.

E, portanto, é caso para perguntar aos distintos deputados da Fretilin: Afinal, quem está a violar a Constituição e as leis em vigor no nosso país? Só porque a decisão é do Tribunal Distrital (que nem é competente em razão da matéria) já se pode considerar... decisão do Estado?

E a afronta que o Juiz Distrital faz à Constituição, ao Código do Processo Penal e ao Regulamento nº 2000/15, da UNTAET?

Aqui, teremos todos que nos vergar à independência dos Tribunais e à separação dos poderes? Só porque o Estado, para nós, já é apenas na decisão do Tribunal? Seja competente ou não competente?

- No dia 26, estando reunido com o Presidente do Parlamento Nacional, o Presidente da República falou comigo ao telefone, ( e eu estava precisamente aqui, neste Salão Nobre), e disponibilizei-me a ir ter com os 2 Presidentes.

Quando cheguei lá, o PR estava ao telefone com o Ministro Hassan Wirajuda.

O PR informou-nos depois de que o ministro indonésio lhe tinha ligado e apelou para ver o caso do Maternus Bere, dentro do espírito da Comissão de Verdade e Amizade e que o erro foi nosso, já que ele não fora impedido de entrar em TL.

A CVA, numa das suas recomendações, sugere uma maior coordenação nas actividades nas fronteiras, precisamente nesta matéria. Hassan Wirayuda apelou ao nosso Presidente para interceder, junto das instâncias do Estado timorense, sobre o caso.

- Lamentando o erro de termos concedido visto – e isto significa que não fizemos ainda todo o processo de sensibilização sobre as recomendações do CVA -, pedi, então, ao PR para falar com a Procuradora-Geral da República, já que a P-GR responde ao PR.

A razão deste pedido, da minha parte, foi a de salvaguardar a independência das instituições e evitar interferências por parte do Governo.

- A seguir falei com a Ministra da Justiça sobre o caso, tendo ela informado posteriormente que estava a tentar contactar com o Advogado do Maternus Bere, um Defensor Público, para ver as melhores vias legais para resolver o caso – o Governo estava a movimentar-se, sim, mas para facilitar o processo sem querer intervir directamente;

- No dia 28 de Agosto, o Senhor Presidente da República, depois de ter contactado a PGR, telefonou-me a solicitar para eu falar com o Procurador-Geral Adjunto e os Procuradores internacionais, por recomendação da Dra. Ana Pessoa, que se encontrava em Singapura.

Chamei imediatamente o Dr. Vicente, P-G Adjunto, mais os internacionais, o Dr. Arlindo Figueiredo e o Dr. Luís Landim, e todos eles me garantiram que a Procuradoria não estava simplesmente envolvida no caso.

Apesar de desconhecerem o caso, ofereceram-se para prestar o devido apoio ao Advogado do Maternus Bere, na busca da via legal apropriada para resolver o problema.

Sugeriu-se que o Advogado apresentasse um requerimento ao Tribunal pedindo a soltura por razões de saúde.

- A Ministra da Justiça ofereceu-se também para estabelecer os contactos entre o Advogado e os 3 Procuradores.

- No dia 29, tomámos conhecimento de que o Advogado do Maternus Bere teria feito já um requerimento e que o Tribunal apenas necessitava de confirmação de uma Junta médica.

O Ministro de Saúde foi chamado e prontificou-se a ajudar na busca da solução. Por razões de legalidade, tomámos como exemplo o caso do Sr. Rogério Lobato, que o III Governo Constitucional nos ofereceu como prenda, no dia da nossa tomada de posse.

- No dia 30 de Agosto, preocupado com a falta de informações sobre o caso, muito antes das 8 horas, eu já estava no Palácio do Presidente da República. O Comandante-Geral da PNTL informou-me então da falta de progresso do caso, já que o Juiz do Tribunal Distrital de Suai estava difícil de ser contactado, porque decidira ir passar o fim-de-semana a Oé-Cusse.

E, eu acredito – como sempre quero acreditar na boa-fé das pessoas – que o Meritíssimo Juiz Distrital entrou por Atambua e Kefa, já porque os indonésios não fecharam as fronteiras, só por causa dos assuntos de interesse nacional em Timor-Leste.

E se tivessem fechado as fronteiras, por razões de interesse nacional indonésio, eu não teria uma resposta para isso.

A nosso pedido, durante a crise, o Estado indonésio aceitou fechar as fronteiras, para salvaguardar os interesses nacionais de Timor-Leste.

- Entretanto, recebo um telefonema do Ministro Zacarias, que estava aguardando o Ministro Hassan, no aeroporto de Díli, informando-me da preocupação do ministro indonésio quanto à não solução do caso do Maternus Bere.

Pedi ao Comandante-Geral da PNTL para tentar entrar em contacto com a Ministra Lúcia, com o Defensor-Geral, Dr. Sérgio Hornai e com a Presidente interina do Tribunal de Recurso, Dra. Natércia.

Quando a Presidente interina do Tribunal de Recurso e a Ministra da Justiça chegaram, reunimo-nos na sala de entrada do Palácio.

A Dra. Natércia disse que não podia fazer nada, porque o processo pertencia ao Tribunal Distrital de Suai. Expressei a necessidade de vermos o problema, em termos políticos e não tanto em termos legalistas, mas porque o caminho legal estava interdito, acabámos por ir para a frente e sentarmo-nos com os convidados.

Eu sabia, dentro de mim, que o Presidente da República estava também à espera que eu o fizesse saber de alguma solução, mas porque eu não tinha encontrado nenhuma solução e, pelo contrário, só esbarrei com dificuldades de vária ordem, decidi pelo silêncio e evitei fazer contactos com o PR.

- Já à frente, com os convidados, recebo um outro telefonema do Ministro Zacarias, a informar-me que o Ministro Hassan fez questão de só vir, se tivesse a garantia de uma solução do caso.

O Ministro Hassan lembrou de novo a boa-fé de ambos os Estados no estabelecimento da CVA e que a não solução do caso de Maternus Bere podia afectar a confiança nas relações entre os 2 países e que, da nossa não cooperação, nesta matéria de cariz sensitivo para a Indonésia, o Estado indonésio poderia ver-se obrigado a revêr a sua política diplomática em relação a Timor-Leste.

- Solicitei então à Presidente interina do Tribunal de Recurso, a Meritíssima Juiz, Dra Natércia, para uma reunião de emergência na Sala de Espera do Palácio.
Chamei também a Ministra da Justiça e o Comandante-Geral da PNTL.

Expliquei-lhes que precisávamos de tomar uma decisão e tinha que ser uma decisão política.

Pedi e insisti junto da Presidente interina do Tribunal de Recurso para ajudar a resolver o problema, para ver uma forma de sairmos da situação. Porque elevei a voz, durante a nossa discussão, a Dra. Natércia disse: ‘Primeiro Ministro, o tempo da guerrilha já passou’.

E eu respondi: ‘Sim, e é por causa disso é que vos chamo a todos, para todos resolvermos o problema.

Aceitemos todos que é absolutamente necessário ponderarmos muitos factores, neste caso concreto, e não sejamos pura e simplesmente legalistas.

Isto faz parte de políticas do Estado’.

Dirigi-me então à Ministra da Justiça e disse para mandar tirar o Maternus da prisão de Becora. A Ministra lembrou que apenas podia ordenar isso se tivesse uma autorização do Tribunal.

A Dra. Natércia, apesar de insistir – e eu aprecio a sua consistência – que em termos legais, ela não podia fazer nada, opinou uma saída – e eu aprecio muito mais esta posição, por ela ter percebido que deveria realmente haver uma flexibilidade de actuações que preservasse o sistema jurídico mas que respondesse aos interesses do país – e dirigindo-se à Ministra da Justiça, disse: ‘Porque as prisões estão sob a sua tutela, a Ministra tem a competência de transferir o Maternus para outro sítio, fora de Becora’.

Agradecidos com a ideia e sabendo entretanto que não avançaríamos muito no caso, ordenei a Ministra da Justiça para retirar o Maternus Bere de Becora e o transferisse para a Embaixada da Indonésia.

À recusa da Ministra, eu disse: ‘Se o não fizeres, eu vou lá tirá-lo’.- A Ministra entrou em contacto com a Embaixada indonésia e combinou-se que o Maternus Bere iria para lá imediatamente, mas que não iria de volta à Indonésia, aguardando que todo o restante processo se completasse.

- A Ministra telefonou também ao Chefe da Guarda Prisional, mas quando a polícia apareceu em Becora, sem um documento do Tribunal, o Chefe da Guarda Prisional recusou cumprir a ordem da Ministra.

E este facto deve merecer registo, pelo profissionalismo que ele demonstrou.

Mandei a Ministra transmitir a ele que eu assumiria toda a responsabilidade, mas ele tinha que cumprir a ordem.
E A ORDEM FOI CUMPRIDA E O MATERNUS BERE FOI TRANSFERIDO PARA A EMBAIXADA DA INDONÉSIA, EM DÍLI!


- Antes do meio-dia, no encontro que eu tive com o Ministro Hassan, disse-lhe que não podíamos mandar o Maternus Bere imediatamente de volta, e ele, Hassan, teria que também respeitar o sistema vigente no país e que o homem só iria depois de acabado todo o processo, em que se respeitasse no mínimo o sistema de separação de poderes.

- À tarde, na cerimónia das medalhas concedidas pelo Presidente da República, a Dra. Natércia disse-me: ‘Primeiro Ministro, vamos ter problemas. O Aniceto sabe disto e vai levantar a questão no Parlamento’, ao que eu respondi: ‘Diga a ele que faça!’

- O Governo continuou os esforços e no dia 1 ou 2 de Setembro, o Dr. Sérgio Hornai, compareceu, a convite nosso, para vermos como andava o processo da junta médica, a exemplo, repito, do Sr. Rogério Lobato.

- Qual não foi o nosso espanto, o Meritíssimo Juiz do Tribunal Distrital de Suai manda uma ordem ao Comissário da UNPOL para averiguar sobre o paradeiro do Maternus Bere e para o capturar de volta para a prisão de Becora.

Eu penso que o Meretissimo Juiz do Tribunal Distrital de Suai já pensa como os distintos deputados da Fretilin: ‘só uma decisão do Tribunal competente... se pode considerar decisão do Estado’.

O nosso Estado, o Estado de Timor-Leste, nesta questão, já tem um endereço – mora no Tribunal Distrital de Suai!

Eu não sei também porque é que estamos a perder tempo aqui, neste Parlamento, porque o nosso Estado está em Suai!

- No dia 2 de Setembro, o Presidente da República convocou o Presidente do Parlamento Nacional, o Secretário-Geral da Fretilin, Dr. Mari Alkatiri e eu próprio, para abordarmos esta questão do Maternus Bere.

O Sr. Dr. Mari Alkatiri, Secretário-Geral da Fretilin, disse que a decisão só podia ser política.
O Dr. Mari Alkatiri ainda sugeriu a junta médica, como opção alternativa, para facilitar o processo de soltura.
Eu expressei discordância, só porque já tínhamos tentado isso mesmo e não estava a dar resultado, pois não havia vontade política por parte da Justiça.

- Todas as individualidades em Díli, receberam o convite para a cerimónia do dia 8 de Setembro em Suai, muito antes de 30 de Agosto.

E a jornalista Jill Jolife escreveu um artigo na Austrália afirmando que eu tinha ido 2 dias antes a Suai, para convencer os 2 Bispos para mudar as celebrações para dia 8, a fim de não coincidir com o dia de massacre, que fora no dia 6.

Pois bem, eu só cheguei a Suai na parte da tarde do dia 7, tive um encontro com familiares das vítimas a explicar a decisão do Estado.

E eles mostraram maturidade e só exigiram ao Governo para melhorar as estradas, fornecer água e electricidade, reparar as pontes, fazer mais escolas e alargar a assistência médica.

E devo dizer também: quando foi da inauguração do monumento às vítimas de Suai, em 4 de Março de 2003, eu estava lá, depus flores e rezei pelas vítimas... e não me lembro de ter visto a cara de um só dos deputados requerentes desta moção.

- Em 10 de Setembro, a comunicação social pergunta-me a reacção quanto ao comunicado da imprensa feito pelo Presidente do Tribunal de Recurso.

Contrariamente ao documento da moção da censura, eu não admiti, porque EU ASSUMI as responsabilidades e estou à espera de ir responder no Tribunal Distrital de Suai, onde mora o nosso Estado, sempre que o Meritíssimo Juiz de lá me ordenar.
Mas se o Estado já mudou a residência para o Tribunal de Recurso, será mais fácil para mim, porque é mais perto.

- O documento da Moção de Censura diz: ‘O próprio Presidente do Conselho Superior da Magistratura Judicial e do Tribunal de Recurso de Timor-Leste decidiu ordenar averiguações ao ‘caso Bere’ para se verificar caso tenha havido uma libertação ilegal, a instauração de uma acção penal e disciplinar correspondente’.

Como puderam ver, estou confuso e não sei se o Estado continua a morar no Tribunal Distrital de Suai ou já se transferiu para o Tribunal de Recurso, em Díli.

Eu quero acreditar, gosto de acreditar na boa-fé das pessoas, que o processo de Maternus Bere tenha dado entrada no Tribunal de Recurso, pelo menos no dia 9 de Setembro, dia do comunicado do Presidente do Tribunal de Recurso.

Aprendi no mato um método: quem não conhece um processo, não tem direito a pronunciar-se. Hoje, isto ainda dirige as minhas actuações.

E, precisamente, para estar preparado na acção penal que vai ser instaurada contra mim, é que produzi esta cronologia dos factos, abordando também as fraquezas de outras instituições no processo de construção do Estado.

Para terminar, Senhores Deputados, quero afirmar aqui que o IV Governo Constitucional, desde que tomou posse, tem vindo a dar grande prioridade ao sistema da Justiça, em Timor-Leste. Apesar da alocação de mais fundos e do aumento dos recursos humanos nacionais e internacionais, continua elevado o número de casos pendentes junto da Procuradoria-Geral da República.

O número de prisioneiros que ainda não foram apresentados ao Tribunal continua a ser elevado, sendo que muitos podem ser possivelmente inocentes mas estão a cumprir pena de prisão antes mesmo de serem julgados.

O Ministério da Justiça adoptou legislações fundamentais e está prestar uma especial atenção às condições, materiais e humanas, no sector dos Tribunais.

Só este Governo, que lidero, pode ser capaz de defender os interesses deste Estado, responder às expectativas do povo e desenvolver o país.

Muito obrigado!

Kay Rala Xanana Gusmão

12 de Outubro de 2009"



Read more...

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP